quarta-feira, 10 de dezembro de 2014

Faz tempo...

Faz tempo que não aparece uma postagem nova nesse blog.
Faz tempo que um colaborador importante sumiu, o Vai-Volta. espírita convicto, creio que se cansou de brigar com o Adilson233.
Faz um ano aproximadamente que fiz uma única postagem.
Faço mais uma, em homenagem ao Vai Volta sumido e ao Adilson233, que eu sei ainda passa vez ou outra por aqui...
Um grande abraço para todos aqueles que frequentavam esse espaço. Saudades dos velhos tempos.


A MEDICAÇÃO PELA FÉ

A moça abatida, num acesso de tosse, chegara
ao “Luiz Gonzaga” com a receita médica.
Estava tuberculosa.
Duas hemoptises já haviam surgido como
horrível prenúncio.
O doutor indicara remédios, entretanto...
— Chico, — disse a doente — o médico me
atendeu e aconselhou-me a usar esta receita por trinta
dias...
Mas, não tenho dinheiro. Você poderia
arranjar-me uns cobres?
O Médium respondeu com boa vontade:
— Minha filha, hoje não tenho... E meu
pagamento no serviço ainda está longe...
— Que devo fazer? Estou desarvorada...
Chico pensou, pensou, e disse-lhe:
— Você peça à nossa Mãe Santíssima socorro
e o socorro não lhe faltará.
A que horas você deve fazer a medicação?
— De manhã e à noite.
— Então você corte a receita em sessenta
pedacinhos.
Deixe um copo de água pura na mesa, em sua
casa e, no momento de usar o remédio, rogue a
proteção de Maria Santíssima.
Tome um pedacinho da receita com a água
abençoada em memória dela e repetindo isso duas
vezes por dia, no horário determinado, sem dúvida,
pela fé, você terá usado a receita.
A enferma agradeceu e saiu.
Passado um mês, a moça surgiu no Centro,
corada e refeita.
— Oh! é você? — disse o Médium.
— Sim, Chico, sou eu. Pedi o socorro de
Nossa Mãe Santíssima. Engoli os pedacinhos do papel
da receita e estou perfeitamente boa.
— Então, minha filha, vamos render graças a
Deus. E passaram os dois à oração.

Do livro,
 Lindos Casos de Chico Xavier

 Ramiro Gama



Feliz Natal e que 2015 seja bem melhor que 2014.