quinta-feira, 28 de julho de 2011

Um deus tecelão de sonhos, srta Nihil

Estou devendo meu "destaque" para essa página,mas as flores ficarão para a próxima.
Optei por postar um site de poesias onde  fui colaboradara até anteontem.
Trata-se do blog do sr.Hilton Valeriano, ex-aluno do professor Joaquim Brasil Fontes,autor de Eros,Tecelão de Mitos,- o livro que me tirou o embaraço de assumir meus sentimentos "mais reais",e meus versos- que eu tinha vergonha de mostrar.
Dêem uma olhada, tem cento e vinte e um  poetas amadores, além das páginas dedicadas aos famosos.
Não virei "seguidora",mas ingressei ali como replicante,na primeira página, nos espaços de comentários para um trecho do livro supracitado.

Estou fácil de ser achada, ( logo à esquerda,e abaixo.)
As duas primeiras poesias, vcs conhecem,mas os três textos subsequentes são inéditos.

"Minha linguagem", "Mundos oníricos paralelos" e "Freud explica".

Eu havia recomendado a alguém para consultar a página feita para eu,aqui no blog.
Mudei de idéia,e recomendarei que consultem o arquivo que estou postando,e que não vejam só a mim,mas aos outros também.

Não quis ser egoísta, guardando só para eu,o segredo desse site.
Ele merece mais replicantes,leitores e seguidores.
Depois, vou postar para o Teacher, no JD,para ele começar a escrever lá.
Pois o professor Andros é poeta também-

Boa curtição a todos.
(os próximos "destaques" serão as orquídeas de sempre.)

*em tempo:
o título da minha  crônica de agora, pouco teve a ver com o conteúdo.
Foi para chamar a atenção dos leitores.(hahahahahahaha...)

Até breve.
ª
ª
ª
Em tempo pela segunda vez:

-vejam logo meus versos por lá,porque acho que as postagens dos replicantes ali, costumam ser apagadas,depois de algum tempo.
Mesmo assim - vez ou outra,mandarei ainda,minhas colaborações para o referido site.

http://poesiadiversidade.blogspot.com/2011/03/joaquim-brasil-fontes-do-amor.html

Camille Flammarion e As Casas Mal Assombradas

Nicolas Camille Flammarion nasceu em Montigny- Le-Roy, França, no dia 26 de fevereiro de 1842, e desencarnado em Juvisy no mesmo país, a 3 de junho de 1925.



Dos colaboradores de Kardec, Camille Flammarion foi o que mais valorizou a construção do conhecimento espírita a partir da metodologia empírica e positivista. Como consequência desta sua postura ele passou anos de sua vida buscando fatos, sobre os quais construiu a convicção na imortalidade da alma, na comunicabilidade dos espíritos e na existência de faculdades extra-sensoriais nos homens, o que frutificou-se na Metapsíquica de Richet e posteriormente na Parapsicologia de Rhine.

Esta sua visão de ciência e as suspeitas que passou a ter para com os aspectos filosóficos e religiosos do Espiritismo não o tornaram, contudo, um iconoclasta, aos moldes de alguns críticos contemporâneos do aspecto religioso do Espiritismo. Suspeitando do método de Kardec, Flammarion lançou-se ao estudo continuado da fenomenologia espírita, oferecendo-nos, quando desencarnou, uma obra que tornou mais sólidas as bases científicas da doutrina espírita.

Crítico dos sistemas religiosos e das verdades misteriosas bastante difundidos em sua época, Flammarion se rendia ao espírito religioso e à construção de uma religião natural, sem dogmas, sem mistérios e sem sobrenatural, como o pensava Allan Kardec.

A obra espírita de Flammarion sustentou e alimentou diversas gerações de espíritas em nosso país, foi uma fonte importante nas discussões que o movimento espírita brasileiro teve de sustentar com diversos segmentos científicos e políticos de nossa sociedade para manter o direito constitucional de existir.

Publicou vários livros, dentre eles  “As casas Mal Assombradas” (Les Maisons Hantées), do qual do prólogo  (Espiritualismo e Materialismo) retiro esse texto:

“Jovem rapariga vai ao meu gabinete em Paris, e me entrega o seguinte relatório, do qual omito os nomes próprios:

“”Ao tempo em que nos entrevistávamos pela primeira vez, tinha eu 22 anos e ele 32 anos. Nossas relações duraram 7 e nós nos amávamos com ternura. Um dia ele me comunicou, pesaroso, que a sua situação, a sua pobreza, etc., forçavam- no a contrair matrimônio. Das suas escusas embaraçosas pareceu-me adivinhar o seu desejo de não interromper as nossas relações.
Liquidei, para logo, o penoso assunto e, mau grado o meu enorme desgosto, não mais revi o companheiro. No meu amor único e absoluto, repugnava-me compartir com outra as graças do homem a quem tanto amava.
Mais tarde, por linhas travessas, soube que ele se casara e já tinha um filho.
Passaram-se anos e, uma noite, em Abril de 1893, vi penetrar na alcova uma forma humana. Estatura elevada, envolto num manto alvo que lhe cobria quase todo o rosto, vi-o aterrada, aproximar-se, inclinar-se para o meu leito e colar nos meus os seus lábios. Mas... que lábios! – jamais esquecerei a impressão que me produziam! Não era pressão, nem movimento, nem algo mais que frio... o frio de uma boca morta!
E, contudo, eu experimentei um desafogo, um grande bem-estar, enquanto durou esse beijo. Verdade é , também, que nesse transe, nem o nome  nem a imagem do falecido amigo que assomaram à mente. Ao acordar, pouco me preocupei com o caso, até que à tarde, percorrendo o jornal de (...), li o seguinte: “Comunicam-nos de X... que ali se sucumbira de uma infecção tífica, consequente a excesso de trabalho no cargo que exercia  abnegada e esforçadamente.” Caro amigo – monologuei: - tanto que, liberto das convenções mundanas, vieste dizer-me que era a mim que amavas e continuas amando para além da morte. Também por mim te agradeço e amo-te sempre.
                                                                     Senhorita Z...””


>Eis o fato como se passou. A velha e cômoda hipótese de uma alucinação simples, já não nos pode satisfazer. O que se procura explicar é a coincidência da morte com essa aparição. Tão numerosas são as manifestações desse gênero, que não mais as podemos considerar fortuitas.  Elas indicam uma relação de causa e efeito.< Palavras de Flammarion*




*As Casas Mal Assombradas
Camille Flammarion
Departamento Gráfico da FEB
4ª edição



(Selma) 

Pensamento do dia



A prova mais clara de que existe vida inteligente em outros planetas, é que ainda não vieram nos visitar.
(Sigmund Freud)







(Selma)

Em busca de uma explicação

Hoje eu tenho menos coragem de ler. Enquanto a Selma estava lendo a matéria do massacre em Oslo, eu só li o título de uma matéria em que uma empresa foi processada a pagar um processo milionário só porque um de seus funcionários chamou um menino de neguinho fedido.

Nessa semana liguei a tevê e vi no programa do Jô pessoas sendo entrevistadas, um músico, um comentarista de tevê e uma antropóloga. O que eles tinham de comum? A dificuldade que é comunicar com as pessoas e o quanto os equipamentos de comunicação ainda estão longe de suportar uma conversa em tempo real.

O blog da Selma, por exemplo, é a continuação do debate que começamos lá no UOL. Naquela época, eu perguntava quem era o Adilson. Muitos daquela época já viraram pó como o professor, o Amaral, a Dith, o Filosofo, o Paulo Rogério, o Historiador e assim vai. Só ficou a Nihil, hasteando a tese de que o Adilson não passa de um João Bobo, náo vale a pena dar ouvidos para ele.

Mas a tese do Adilson até que não é ruim. De que adianta acreditar em assombrações se nada disso vai garantir que voltaremos da poeira? A vida tem sim um monte de paradoxos, e a única maneira que eu encontrei para enfrentá-los foi empurrando com a barriga, fazendo vistas grossas, ou engolindo os desaforos de maneira católica, apelando pára Santa Teresa por um cálice de paciência ou descontando para cima do pobre Adilson. Ou seja, o Adilson não é tão inútil como imaginava no começo do debate.

Enfim, não encontrei nenhuma explicação para a vida, mas aprendi a conviver com o Adilson e morrer de saudade da princesa, coisas boas duram pouco e essas coisas como o Adilson atravessam vários foruns, Kardec teria tido mais sucesso se escrevesse como se livrar de assombrações e náo como invocá-los, se bem que o Adilson sempre aparece sem fazer esforço nenhum, esforço nenhum...

Frank K Hosaka
fhosaka@Uol.com.br (11)8199-7091 Diadema-SP

quarta-feira, 27 de julho de 2011

Como explicar a vida?


Um norueguês doidão chamado Anders explodiu o centro da capital da Noruega e em seguida rumou para uma ilha distante 40 km e massacrou vários inocentes.
Por que inocentes tiveram que morrer dessa forma?

Chico Xavier nunca fez mal à ninguém, mas é duramente criticado. Ajudou várias instituições de caridade e teve uma vida sem prejudicar seus semelhantes.

Gisele Bündchen nasceu linda e construiu uma carreira de sucesso. Dinheiro não é problema para ela. É bonita, rica, famosa e admirada por todos.

Amy Winehouse teve em princípio uma carreira de sucesso e poderia ter prosseguido tendo muito sucesso. Mas entregou-se (sabe-se lá o porquê) às drogas e acabou morrendo prematuramente. Suicídio inconsciente.

O seu João é padeiro aqui na minha cidade e chega na padaria às 5 da manhã. É uma pessoa de bem. Tem casa, família. Frequenta a igreja todos os fins de semana, é caridoso. No entanto, um filho embrenhou-se nas drogas e é o desgosto do pai. O que aconteceu?

A minha faxineira luta com dificuldades para criar os filhos. Deve para Deus e todo o mundo. Não nasceu bonita, nem rica e não é famosa. Por quê?


Aos que acreditam em Deus, eu pergunto: Como explicar tanta disparidade nessa vida?
Ao Adilson que acredita em Deus, mas acredita que vamos virar apenas pó, eu pergunto: Que graça tem Deus criar uns para a felicidade e outros  para a tragédia? 





(Selma)

terça-feira, 26 de julho de 2011

Nunca me disseram não!

Li uma notinha no Yahoo sobre a Gisele Bündchen. Ela veio ao Brasil para gravar novos comerciais  de um determinado shampoo (sei lá qual é). E no local da gravação Gisele “brincava” (que gracinha) de tirar fotos das pessoas que lá trabalhavam e colocava num programa que emagrece e engorda...
Com certeza morria de rir depois.

Quando foi tirar a foto de um determinado rapaz, ele disse a ela que NÃO  gostava de tirar fotos. E ela estranhou comentando: “Nunca me disseram não!”.

Que mulher mais chata e prepotente. Por ser rica e considerada a melhor Top do mundo penso que já se julga DEUS. Só espero que o rapaz que se recusou a tirar a foto não seja mandado embora, por ter “dito não” para a deusa. E ela precisa ouvir mais “nãos” na vida, para ver como a vida é na verdade, como é a vida do pobre trabalhador brasileiro, daquele que sofre para arrumar um empreguinho e ganha uma miséria...


(Selma)


Acharam que eu ia colocar uma foto da Gisele? Não... Esse é o meu cachorro Nero. Ele é quem mais ouve a palavra "não" lá em casa...

segunda-feira, 25 de julho de 2011

O Terror na Terra da Paz

Explosão no centro de Oslo e massacre de adolescentes a tiros em uma ilha próxima abalam a Europa.




(Duda Teixeira)



Ao morrer, em 1896, o sueco Alfred Nobel deixou acertado com seus compatriotas que a escolha dos agraciados anualmente com o prêmio da paz que leva seu nome seria feita pelos noruegueses em Oslo. A justificativa: a Noruega era um país sem apego ao militarismo e dirigido por uma elite tolerante. Cento e quinze anos se passaram, e a Noruega manteve-se pacifista. Sem que exista um ranking para medir isso, o país é, sem dúvida, o mais politicamente correto do planeta. Nem isso livrou a Noruega de ser alvo de um devastador ataque terrorista na sexta feira passada ( 22/07/2011). Quase vinte pessoas foram mortas pela explosão de uma bomba artesanal feita com fertilizantes e a tiros.



O terrorista foi preso logo depois de matar adolescentes que participavam de um acampamento em uma ilha próxima à capital. Seu nome: Anders Behring Breivik. Idade: 32 anos. Profissão: empresário, dôo de uma firma de um homem só que se definia como dedicada à agricultura – o que permitiu comprar grandes quantidades de fertilizantes sem despertar a aatenção das autoridades.

Desde que o americano Timothy McVeigh matou 168 pessoas e feriu outras 700 em um atentado em Oklahoma, em 1995, os fertilizantes têm sua venda controlada por autoridades policiais. McVeigh, condenado à morte e executado em 2001, deu publicidade mundial  a esse método artesanal de execução em massa de inocentes. Anders Behring  era conhecido nas redes sociais mundiais, como o Facebook, e na Document.no, da Noruega, por suas posições untranacionalistas e pelo ódio tanto aos judeus quanto aos islamitas.


Ele denunciava a política oficial da Noruega de manter-se democrática e tolerante mesmo em um mundo onde isso parece não ser suficiente para apaziguar os inimigos do ocidente. A tese mais estapafúrdia de Anders Nreivik era a de que “os judeus patrocinam a invasão da Europa por imigrantes islâmicos”. O que não falta na internet são teses malucas e ativistas que enxergam na  diferença  entre os seres humanos a raiz de todo o mal. Raros, felizmente, são sujeitos de mente atormentada como Anders Breivik que decidem explodir e matar inocentes a tiros para dar visibilidade as suas causas.

Depois dos terroristas islâmicos e dos esquizofrênicos que invadem e matam alunos nas escolas, o mundo foi apresentado agora a alguém que, claramente, é uma combinação daqueles dois tipos de perversão assassina.

Os dois ataques perpetrados por Anders ocorreram em um intervalo de duas horas. Dezessete pessoas morreram e dezenas de outras ficaram gravemente feridas. Foi o terceiro maior atentado terrorista na Europa Ocidental neste século. Em Londres, em 2005, morreram 52 pessoas. Em Madri, em 2004,  foram 191. Os ataques em Oslo começaram cm duas ou mais bombas que foram detonadas quase simultaneamente no centro da capital  norueguesa ás 3 da tarde. As explosões destruíram a fachada  do principal prédio do governo, onde ficava o gabinete do primeiro-ministro Jens Stoltenberg, no 16º andar, que não estava na sala. Outros prédios foram atingidos e uma chuva de vidro caiu sobre os pedestres. As ferragens retorcidas de um veículo deram força à hipótese  de carro-bomba.

Enquanto uma nuvem amarela subia pelos céus de Oslo, a polícia contava  sete mortos e quinze feridos. Pouco tempo depois, metido em um uniforme policial, Anders Breivik desembarcou na ilha de Utoya. Nesse local, distante 40 kilômetros do centro de Oslo, o Partido Trabalhista norueguês, de centro-esquerda realizava um acampamento de jovens. A maioria tinha entre 15 e 16 anos de idade. Segundo testemunhas., o falso policial disse que precisava inspecionar o local, como medida de segurança por causa das explosões ocorridas na cidade. Quando chegou ao acampamento o homem começou a atirar a esmo contra os adolescentes usando um fuzil.

Anders Behring Breivik - autor do ataque terrorista


Alguns se esconderam entre os arbustos  e outros foram para a praia. Eles mergulharam na água desesperados, tentando nadar até outra margem, no continente, a 600 metros. Até sexta feira à noite, a polícia havia confirmado 10 mortos na ilha. Pelos relatos dos sobreviventes, teme-se que a contabilidade macabra chegue a 30 mortos.

Duas hipóteses sobre a motivação dos ataques foram levantadas de imediato. A primeira via no padrão destrutivo a mão de fundamentalistas islâmicos. Na tarde de sexta feira, o grupo Ansar al-Jihad al-Alami (Ajudantes da Jihad Global, em árabe) assinou uma mensagem colocada em um fórum da internet em que se declarava responsável pelo atentado. Segundo o texto, teria sido uma resposta à presença de tropas norueguesas no Afeganistão e a insultos ao profeta Maomé: “Nós avisamos, desde os ataques em Estocolmo (em 2010), que mais ataques viriam. O que vocês estão vendo é apenas o começo”.

A outra possibilidade, que acabou se concretizando, era que o autor do atentado fosse um ativista ultranacionalista. Anders Breivik conseguiu fazer mais mal a seu país do que as hordas de imigrantes que ele tanto temia. Ele atentou contra a nobilíssima iniciativa do Prêmio Nobel, que seu criador queria ver entregue aquele que fizer “o melhor pela fraternidade entre as nações, pela abolição ou redução dos exércitos e por promover congressos de paz”. Atentou contra a tradição pacifista e tolerante da Noruega, país em que, em 1993, reuniu as delegações de Israel e dos territórios palestinos para costurar o tratado conhecido como acordo de Oslo – o mais próximo que se chegou a um entendimento entre os dois lados do conflito árabe-israelense. Atentou contra a reconhecida generosidade da Noruega, a nação que mais faz doações a países pobres em proporção do seu PIB e que mais recebe asilados políticos do mundo, aceitando 40% de todos os pedidos. Enquanto o sangue ainda corria nas ruas de Oslo, o líder Stoltenberg reagiu: “Não destruirão nossa democracia”.




Revista Veja - 27/07/2011 - edição 2227 - nº30



(Selma)

domingo, 24 de julho de 2011

BluRay: Rango, Sem Limites e Ritual

São três bons filmes, não é tão corrido como Desconhecido e o enredo é sempre previsível.  Rango é um desenho animado e fala de uma cidade habitada por ratos, lagartos, cobras, topeiras e outros bichos, e traz no enredo a profecia de que "quem controlar a água vai controlar tudo". Adorei o desenho animado. O Vladimir me alugou o Zé Colméia O Filme, eu só consegui assistir os primeiros quinze minutos, eu achei uma porcaria. Já quem gosta do Clint Eastwood, vai amar Rango, cheio de clichês do velho faroeste, com um final inédito: o bandido não morre no final do filme! Você vai amar esse filme.

Sem Limites é uma apologia ao consumo de drogas. Ao contrário de outras drogas, esse filme fala do AZT que custa 800 dólares. Geralmente usamos apenas 2% dos neurônios que existem no cerebro, a droga faz com que você use o resto. O problema é que ela funciona apenas 24 horas. Como a droga é muito cara, você tem que usar todo o cérebro para ganhar dinheiro e assim poder comprá-lo. Exsitem poucos efeitos visuais, mas quando eles aparecem, você vai ficar de queixo caido. Claro que todo drogado vê coisas, mas o legal do filme é que você pode ver o que drogado está vendo, sem a necessidade de pagar 800 dólares.

Ritual afirma que a Igreja Católica andou abrindo o curso de exorcismo. Um dos alunos passou quatro anos estudando no Seminário, pois queria se livrar do trabalho do seu pai, mas percebeu que ele não tinha a menor vocação para ser padre. Antes de abandonar tudo, um padre encaminhou o rapaz para Roma, para fazer um curso de dois meses sobre o exorcismo. O professor percebeu que o aluno estava pouco interessado na matéria, assim decidiu encaminhá-lo ao Padre Lucas (Antony Hopkins), mas ele também não conseguiu convencer o rapaz que os demônios existem. Antes que o aluno voltasse aos Estados Unidos, o diabo ficou aborrecido com o incrédulo, e decidiu matar o pai dele para obter um pouco de respeito do incrédulo. Graças ao diabo, assim conclui o filme, é que temos padres na Igreja Católica. O filme não chega aos pés de O Exorcismo, mas que o enredo é bom, ah isso é.

Agora, com licença, que vou dar um pulo no fórum do AndroidZ e de lá vou trazer um comentário sobre o Android 2.3 no Galaxy S da Samsung. Um bom final de domingo, e até daqui a pouco.

Frank K Hosaka
fhosaka@uol.com.br (11)8199-7091 Diadema-SP

quinta-feira, 21 de julho de 2011

Ser Espírita!

Espiritismo, religião do futuro!

O espiritismo é, pois, o mais avançado e perfeito sistema de iniciação espiritual dos tempos modernos, e as claridades dos seus ensinamentos iluminam os caminhos do adepto, como jamais o conseguiram quaisquer outras das doutrinas até hoje conhecidas e professadas, porque desde o seu advento realizou, entre muitas outras, estas coisas notáveis:

1ª. - Colocou as verdades essenciais ao alcance de toda a humanidade, sem distinções ou limitações de qualquer natureza, salvo as referentes à própria negatividade individual.

2ª. - Completou o quadro dos conhecimentos espirituais, compatíveis com o entendimento dos homens desta época, transmitindo esclarecimento ainda não revelados até o presente.

3ª. - Eliminou a necessidade de iniciações secretas e sectárias, generalizando seus conhecimentos para toda a massa do povo, sobretudo popularizando o intercâmbio entre os mundos, pela mediunidade.

4ª. - Demonstrou que o progresso espiritual só pode ser realizado em boas condições, mediante o desenvolvimento equilibrado e recíproco, do sentimento e da inteligência.

5ª. - Revelou que o Cristo - o Verbo - é o arquiteto da estruturação e da organização da vida neste planeta, medianeiro entre Deus e os homens, e que seu Evangelho é a síntese da mais alta moral e a norma da mais elevada realização espiritual.

6ª. - Evidenciou que o conhecimento das coisas de Deus não deve nem pode ser adquirido por métodos contemplativos, no isolamento das coisas do mundo, mas ao contrário, no convívio de todos os seres, ao contato das dores, das misérias e das imperfeições de todos os homens porque a vida, ela mesma, é que fornece experiência, sabedoria e elementos de aperfeiçoamento.

7ª. - Libertou o homem da escravização religiosa e do esforço, quase sempre improdutivo, da especulação filosófica, ofertando-lhe conhecimentos reais, concludentes, lógicos e completos, todos eles, como já disseramos anteriormente, passíveis de demonstração experimental.









(Selma)

terça-feira, 19 de julho de 2011

Santas e anoréxicas

Santas e anoréxicas

Moacyr Scliar*


Na idade média, gordura era sinal de prosperidade e beleza. Tal exuberância causou indignação entre jovens religiosas, que passaram a recusar alimento


Por muitos e muitos milênios, e ainda hoje, para vastos contingentes populacionais a falta de alimento, não o excesso deste, constituía ameaça à saúde. Magreza era um perigo; estava associada com muitas doenças, sobretudo a tuberculose. Gordura, pelo contrário, era sinal de saúde.

Estes conceitos mudaram radicalmente. Obesidade, sabe-se hoje, predispõe a doenças. O obeso é, não raro, olhado com irritação; afinal, comer é uma forma primária, e fácil, de gratificação; remete à oralidade da infância. O obeso ocupa espaço, num mundo em que a expressão “estou buscando meu espaço” é constantemente repetida. Obesidade gera culpa e é combatida com providências às vezes drásticas. Mulheres jovens, sobretudo, restringem dramaticamente a ingestão de alimentos, não raro chegando à anorexia nervosa, uma situação que, entre parênteses, só no século XIX foi rotulada como doença. Uma doença para a qual chamaram a atenção os óbitos da cantora americana Karen Carpenter e, mais recentemente, da modelo brasileira Ana Carolina Reston Macan.


A anorexia começou a se tornar visível no início da Idade Moderna. Depois de séculos de pobreza medieval, a Europa entrou num período de prosperidade: as pessoas das classes mais elevadas passaram a se vestir bem, morar bem, comer bem – e muito. A gordura era sinal de prosperidade e, nas mulheres, de beleza, como mostram os quadros de Rubens (1577-1640). Esta exuberância suscitou protestos que, sobretudo entre religiosas jovens, tomaram a forma de recusa do alimento. Um exemplo clássico é o de Santa Catarina de Siena. Nascida em 1347, ela foi educada por uma mãe dominadora, com quem tinha uma relação conflituosa. Muito cedo começou a ter visões místicas e, a partir daí, passou a recusar o alimento e a se flagelar. Só comia alguns vegetais e frutas para não chocar demasiadamente as pessoas com quem convivia. A fragilidade de seu corpo antecipava uma morte precoce e, de fato, faleceu aos 33 anos. Já Santa Maria Madalena de Pazzi (1566-1607) via a vontade de comer como tentação do Diabo; Santa Rosa de Lima (1586-1617), além de jejuar, usava cilício e dormia em cama forrada de cacos de vidro, espinhos e pedras. Às sextas-feiras, dia da Paixão de Cristo, Santa Verônica Giuliana (1660-1727) ingeria apenas cinco sementes de laranja, evocando as cinco chagas de Jesus.

Séculos depois, movida por motivação similar, uma escritora francesa também ficaria conhecida pela anorexia: Simone Weil (1909-1943). De uma culta e abastada família judaica, Weil muito cedo tornou-se militante esquerdista e foi trabalhar como operária numa fábrica: penosa experiência, que retratou em La condition ouvrière (A condição operária). Deixou o judaísmo e passou a praticar um cristianismo peculiar, místico. Seu ascetismo manifestava-se na recusa de alimentos, coisa que aliás vinha desde a infância: aos 5 anos negava-se a comer açúcar, porque o uso do produto era racionado entre soldados franceses que lutavam na Primeira Guerra. Durante a Segunda Guerra, exilada nos Estados Unidos, limitava-se a ingerir o equivalente das rações dadas aos seus concidadãos na França ocupada: sentia-se culpada por ter alimento quando tanta gente passava fome e por ser poupada da guerra enquanto tantos soldados morriam. Seguiu-se a desnutrição, agravando a tuberculose de que já sofria; e, por fim, faleceu em Londres, onde tentava participar da resistência contra os nazistas. Sua trágica existência, mostra, entre outras coisas, que o alimento pode ter um aspecto simbólico importante. Tão importante que às vezes é capaz de ceifar vidas.



*Moacyr Scliar é médico, escritor e membro da Academia Brasileira de Letras





Por volta dos 14-15 anos eu era bem gordinha. Isso acarretava os apelidos na escola... O famoso bulling. Resolvi fazer regime por conta própria. Acabei ficando com anorexia e perdendo quase 20 kilos.




(Selma) 

Para Dith- mala nihil

Retomarei minha prática ,de chamar um "ausente"  por mês(antes era um por semana)- já que meus pcs por enquanto,estão em ordem-e eu estou podendo  escrever em mais de um site.

º
º
Olá,  Dith.
Você sabe que o gd do terra terminou no dia dezoito de novembro de 2.010,e deve saber também,onde todos nos encontramos,atualmente.
Ou onde se encontram agora,os remanescentes do grupo.
Eu ainda não tenho o meu blog,e vou escrevendo nos blogs de todos.

Não faço muitas postagens aqui,mas dentro do número considerável dessas mensagens que enviei para cá - chamei uns dez personagens ausentes.
O  sr.Hosaka escreveu a vc meses atrás,aqui no blog, na mesma página em que enviei um texto ao Denytus.

Espero muito,e infindavelmente - que vc e que seus familiares estejam gozando de boa saúde.

Os personagens dos nossos sites sentem sua falta.
Agora era uma boa hora para vc se logar no JD,  e prosear com o professor Andros,que parece ser por lá, ainda mais lacônico do que foi no gd do terra,e eu atribuo isso,ao "isolamento virtual" dele.
Andei chegando à conclusão de que ele não sabe fazer amizades.
Mas,ele gosta da gente,e sempre que pode,menciona seu nome.

Agora,era uma boa hora para vc escrever um texto ou outro nesse site,também.

Não irei "me desculpar' pelo passado.
Prefiro "rever minhas falhas" e me "corrigir" dentro do mundo real.
Achei que dava para escrever para o seu nique.
Pelo menos isso-

º
º
Prometo que se vc aparecer, vou continuar praticando minha política de replicar uma ou duas frases à senhora.
Dificilmente voltarei a tomá-la a sério- não cometerei mais esse erro.

Eu costumo -conforme já propagandeado, rever minhas "falhas".

Não posso te culpar.
Vc é a mais curiosa soma que já vi de duas posturas incommpatíveis entre si,que são a inclinação pelo Marxismo,e a simpatia pela Psicanálise.
Duas tendências que se anulam em consequências e resultados -ostensivamente, em pessoas e sistemas.
Eu sou apenas "freudiana' -e tento ser religiosa.
E religiosa do Budismo,que é minha grande simpatia.

Continuo fiel a uma filosofia pessoal- de conduta- e uma apaixonada pelas idéias,como sempre.

º
º
Por favor,apareça,e junte-se aos cinco ou seis que lêem e escrevem para esse blog.

Não se preocupe, normalmente, eu costumo estar aqui,no máximo,um dia por semana.
Quando muito.


Lembranças aos outros,se mantêm contato com eles.
Até breve.

º
º
Aviso aos leitores

-essa será uma das poucas mensagens "oficiais" e  em destaque minhas- que ficará "no ar" só por um tempo.
Em trinta dias,irei deletá-la.


Procurarei não escrever mais por hoje, a não ser -réplicas.

-----------

Psafe- mala nihil

Meu antivírus "venceu" hoje,e eu acabei de fazer download do Psafe, no netbook.
Demorou uns vinte minutos- e foi fácil.
Fiz isso,porque quando li o "termo de serviço" do Norton, que eu ia experimentar por um mês,- não entendi se ele é um antivírus,ou se ele é um site de limpeza de arquivos,similar ao Ccleaner.
Certas dissertações mais confundem o leitor,do que ajudam- e esse foi o caso da página do"contrato"do Norton.
Verei se o Psafe é bom- caso não funcionar direito,então vou pagar mesmo a continha do McAfee,para dois pcs.
Já que não entendi o que o Norton é, de principal.
Eu tive uma série de dissertações sobre informática,tecnologia, "empenhos científicos avançados", e na qual eu também falei bastante de digitação- entitulada McAfee,que foi predominantemente escrita no blog azul.
Foram oitenta e seis textos.
Hã...essa série agora mudou seu nome para Psafe- e voltou ao número zero,com essa crônica.


Caso eu voltar a usar o McAfee,ela irá continuar a partir do número oitenta e sete.(haha...)

Agradeço ao sr.Fambins por haver me indicado esse antivírus,que instalei,e agradeço também as orientações do sr.Hosaka- e do sr.Marciano Alado,semana passada,sobre pacotes antivírus.



Até breve.

Natureza Viva 48 -

Pronto.

Meus envios de orquídeas para a semana,está completo.
Cutam mais essas  imagens.

http://www.google.com.br/search?q=anguloa+clowesii&hl=pt-BR&rlz=1T4PRFA_pt-BRBR431BR431&prmd=ivns&tbm=isch&tbo=u&source=univ&sa=X&ei=baslTouPOcTX0QHxnqW2Cg&ved=0CCAQsAQ&biw=683&bih=276

Natureza Viva 47

boa tarde



http://www.google.com.br/search?hl=pt-BR&rlz=1T4PRFA_pt-BRBR431BR431&q=ansellia%20africana&um=1&ie=UTF-8&tbm=isch&source=og&sa=N&tab=wi&biw=683&bih=276

segunda-feira, 18 de julho de 2011

Banho quente, alívio para os corações solitários

O banho quente pode não curar as feridas de um coração solitário, mas alivia as dores. Ao menos é o que garante um estudo da Universidade de Yale, nos Estados Unidos, que associou tempo gasto no banho, água a altas temperaturas e sentimento de exclusão social.

A pesquisa analisou o comportamento de 400 voluntários, com idades entre 18 e 65 anos. Aqueles que se sentiam solitários demoravam, em média, 25% a mais no banho e preferiam água quente. Para John A. Bargh, coautor da pesquisa e especialista em ciência cognitiva, o banho quente e demorado pode provocar a mesma sensação de satisfação que a motivada pelo calor físico proveniente de outra pessoa.

Segundo o psicólogo, o sentimento de solidão, quando muito intenso, pode provocar pequenas reduções na temperatura corpórea. Daí, a predisposição do ser humano a buscar contato com a água quente. “É o que chamamos de autorregulação”, diz Bargh.

Idit Shalev, outra coautora do estudo, acrescenta que esse comportamento é inconsciente. Os pesquisadores o associam ao sentimento de segurança que os bebês experimentam ao serem colocados em contato com o corpo da mãe. A criança para de chorar, sem dar-se conta, é claro, que a temperatura é a principal razão para a sensação de conforto. É uma situação diferente das pessoas que, embora sós, sentem-se bem.

A exclusão social, de acordo com a psicóloga, causa distress (stress prejudicial à saúde), quadro que leva à hipotermia. Nesse estágio, as pessoas apresentam queda de temperatura corpórea, especialmente nas extremidades do organismo. O banho quente, nesse caso, tem a função de equilibrar o organismo por meio do controle de temperatura.

“Todos os nossos sentidos são importantes, mas a pele é abrangente e contorna todo o corpo. Isso transforma o tato em um dos sentidos mais relevantes”, diz a especialista. “É por essa razão que o banho quente acalenta as pessoas. O contato com a água transmite a sensação de proteção e equilibra, biologicamente, o organismo”, completa.

A psicoterapeuta acrescenta que o banho de banheira ativa a memória corporal, recuperando a sensação que experimentamos no útero materno. Isso faz com que as pessoas se sintam ainda mais confortáveis e em segurança quando imersas na água quente.


Especialista: Karina Haddad Mussa, psicóloga e psicoterapeuta da Clínica do Sono
Envolvimento com o estudo: Mussa se especializou em psicologia cognitiva comportamental pelo Albert Ellis Institute, em Nova York, e desenvolvou um trabalho de pesquisa na área de virtude, ética e felicidade na Universidade Federal de São Paulo (Unifesp).


Conclusão
O banho quente é realmente reconfortante. Vale ressaltar, no entanto, que a pesquisa americana vai ao encontro de outras teorias já defendidas por especialistas em psicologia cognitiva, que associam o desequilíbrio corporal a sintomas da solidão. Talvez o que falte para Thom Yorke, vocalista do Radiohead, conhecido por suas composições tristes, é uma boa ducha quente. Só isso!
(Por Renata Honorato)





Selma
de:  http://veja.abril.com.br/blog/diz-estudo/

O país do futebol

Se você passear em Campinas, Diadema, Santo André, São Paulo, você notará que o bispo Edir Macedo fez bem mais por essas cidades do que a CBF, é muito mais fácil falar com Deus do que jogar bola no fim de semana. Os estádios são sempre os mesmos. Diadema, por exemplo, não tem estádio e nem time de futebol.

Eu mesmo só conheci um campo de futebol, quando o Diego completou 1, 2, 3, 4 e 5 anos de idade, seu pai trabalhava na Bosh e sempre conseguia reservar a festa do aniversário do lado do campo que pertencia à empresa. Eu só passeava naquele campo, o gramado era tão bonito que dava vontade de tirar o sapato e andar descalço sobre ele. Algumas crianças brincavam de bola, os demais como eu estávamos mais preocupados com o bolo, o doce e a carninha, ninguém ali estava preparado para correr aquele enorme campo. Depois de quinze minutos, eu perdia o folego, e nem conseguia acertar o pé na bola, mesmo que o gramado estivesse bom, mesmo que o gol fosse enorme, a verdade é que o campo de futebol é enorme e você precisa ter muito preparo físico.

Eu não lembro das aulas de Educação Física no primário e nem no ginásio. Eu lembro no colégio e na faculdade, era uma vez por semana e apenas uma hora. Basicamente eram cinco abdominais, quatro alongamentos e o resto do tempo você ficava com a bunda no banco esperando uma vaga para jogar futebol de salão, basquete ou volei. Ficar sentado no banco, isso é a única coisa que aprendi nas aulas de educação física.

Se o técnico da seleção me convocasse para jogar, certamente eu recusaria para evitar de fazer vexame para o meu país. Tanto o meu professor de educação física bem como de outras matérias só me ensinaram a ficar sentados, eu não sei jogar bola, escrever e nem fazer conta. É claro que eu apanho muito hoje. Eu enfrento filas de dez metros e fico de meia até uma hora de pé nos bancos, e isso dói muito.

Eu nunca entrei numa igreja do Edir Macedo, mas a Tevê Record exibe sempre os seus cultos, e vejo sempre as pessoas de pé, rezando e cantando. O Edir Macedo está ensinando muito mais que falar com Deus, ele está ensinando o seu povo a enfrentar as filas dos bancos. Enquanto eu amargo a espera, eu vejo que tem um ou outro crente aproveitam a ocasião para falar de Deus e de seus prodigios na vida deles. Acho que esse é o único caminho para fazer do Brasil o país do futebol, ensinar aos nossos professores de que um país só fica de pé se tirar a bunda da cadeira.

Frank K Hosaka
fhosaka@uol.com.br (11)8199-7091 Diadema-SP

domingo, 17 de julho de 2011

Ubuntu 11.04 e o Santander Internet Banking

Para quem usa o Ubuntu 11.04 e tem problemas de acessar o Santander Internet Banking através do Firefox 5.0, aqui está a solução do problema:

Atualize a máquina Java para a versão 6

Frank K Hosaka
fhosaka@uol.com.br (11)8199-7091 Diadema-SP

sábado, 16 de julho de 2011

Os neurônios do Adilson

Nessa semana, enfrentei muito trabalho, e nas horas vagas assisti à trilogia de Jason Bourne, um filme de muita ação e que fala do mundo da espionagem da CIA, onde agentes bem treinados executam pessoas que são suspeitas de ameaçar a vida na América, sem questionar e sem deixar pistas.

Mas um dos neurônios do Bourne pifou, e agora a CIA tenta eliminar o agente em três longas metragens, melhor assistir na sequência: A Identidade Bourne, A Supremacia Bourne e o Ultimato Bourne.

Isso me fez lembrar do professor que num dos comentários quantificou o número de neurônios entre crentes e ateus. Os ateus têm milhares de neurônios, e os crentes apenas dois e que não funcionam. Claro que isso é ilógico. A capacidade de acreditar em coisas que são cientificamente difíceis de comprovar, como a reencarnação, não implica necessariamente que os neurônios dos crentes não estão saudáveis, muito pelo contrário.

O mesmo raciocínio vale para os comentários do Adilson. Não importa qual o assunto que esteja na pauta, o Adilson faz questão de deixar a sua assinatura, tergiversando a pauta para o seu único ponto de vista, o de que é difícil de acreditar que ainda existam pessoas que acreditam em santos, espíritos, milagres e agentes postais entre nós e o Pai, mas o seu tema predileto é o mistério que cerca a Senhorita Nihil, em quase todas as mensagens ele sonha em torná-la uma Senhora.

Ou seja, os neurônios do Adilson são saudáveis. É fácil perceber que os neurônios conseguem mover os seus dedos nas teclas  Control+C e Control+V de forma sistemática. Note que há pouca ou nenhuma diferença entre um comentário que ele publicou na semana retrasada com a dessa semana. Para fazer tal operação, os dois lados do cérebro têm que funcionar de maneira harmônica e copiosa.

O que intriga é a persistência de nossos neurônios em ler aquilo que o Adilson escreve, e assim faz sentido a Dra Selma procurar a cura da doença de Parkinson na literatura médica bem como na religiosa. Eu acredito que os  nossos neurônios merecem uma segunda chance, não importa quantas vezes tenhamos pisado na bola em relação ao Pai nessa vida ou em supostas vidas passadas: esse é o único propósito de Deus ao colocar o Adilson no meio de nós.

Frank K Hosaka
fhosaka@uol.com.br (11)8199-7091 Diadema-SP

quinta-feira, 14 de julho de 2011

Viagem interativa dentro do Cérebro

A Viagem ao Cérebro explica o funcionamento do cérebro e como a doença de Alzheimer o afeta.

Como fazer a viagem: Há 16 slides interativos. Ao visualizar cada slide, passe o mouse sobre qualquer texto colorido para destacar os recursos especiais de cada imagem. Em seguida, clique na seta para avançar ao próximo slide.
Entendeu direitinho? Ao passar o mouse nas letras coloridas, aparecerá no cérebro ilustrativo a parte correspondente às informações do texto.

Clique no link abaixo:

http://www.alz.org/brain_portuguese/



(Selma)

Religião e Epilepsia

Estrutura mental da espiritualidade e seu papel evolutivo ainda são um mistério.


Scientific American Brasil
Artigos
Edição 47 – Abril 2006
Edson Amâncio*


Um dos temas atuais mais palpitantes em neurociências é saber "onde" estão as redes neurais cerebrais que codificam a crença (ou a fé). Localizacionistas apostam no lobo temporal, e tal convicção se fundamenta na religiosidade das pessoas que sofreram lesão nessa área.

Trabalhos científicos enfatizam o fato de que portadores de epilepsia do lobo temporal desenvolvem religiosidade exacerbada. Entre casos famosos mencionados encontra-se o pintor Vincent Van Gogh. Qual teria sido a origem do seu fervor religioso, levando-o a tornar-se um pregador tão obstinadamente preocupado com seus deveres que acabou expulso de sua seita?

Numa tentativa de compreender melhor o fervor religioso despertado em pessoas com lesão temporal o neurologista Vilayanur Ramachandran estudou dois pacientes epiléticos do lobo temporal, ambos com tendência espiritualista exacerbada. Submeteu-os a um experimento simples, conectando-lhes ao braço um eletrodo que capta impulsos elétricos na pele quando a pessoa é envolvida por alguma emoção. Numa tela de computador assistiam a figuras neutras (como bola de tênis, árvore e quadro-negro) intercaladas com imagens de sexo, violência, símbolos religiosos e palavras alusivas a Deus. Para surpresa dos examinadores, os impulsos mais intensos não se deram com cenas violentas ou eróticas: naqueles dois epiléticos do lobo temporal, a intensidade aumentava nitidamente quando os pacientes viam imagens religiosas.

Assim, seria lícito supor - por mais absurdo que possa parecer - que existem áreas no cérebro cujos circuitos são especializados em fé ou apego religioso? É exatamente aí que se inicia a penumbra do nosso conhecimento. Talvez por isso os neurocientistas tenham se negado sistematicamente a dedicar tempo de pesquisa ao tema.

Um epilético com lesão no lobo temporal e que desenvolvera religiosidade exacerbada quando não havia nele nenhum vestígio de interesse religioso antes da cirurgia causadora da lesão contou-me que, ocasionalmente, sofre uma crise em que tem a nítida sensação de sair do corpo, uma evidente sensação extra-sensorial. Relatos como esse se encaixam na experiência tornada pública em 2001 por Olaf Blanke. Ele colheu o extraordinário relato de uma paciente que passou por uma experiência extra-sensorial quando teve o giro angular direito estimulado por uma corrente elétrica. Ela estava se submentendo a cirurgia de crânio para a retirada de áreas geradoras de descargas epiléticas no lobo temporal.

Esse tipo de operação geralmente se faz sob anestesia local, pois é importante que o paciente esteja acordado para orientar os médicos quanto à sensação experimentada em cada área estimulada. Assim, colocam-se delicadamente eletrodos sobre o córtex cerebral, e desencadeia-se uma estimulação elétrica enquanto se aguarda a reação do paciente. Dessa forma, faz-se um mapa das áreas cerebrais próximas à lesão, permitindo identificar o local, remover precisamente a área afetada e preservar as áreas sadias das vizinhanças.

Quando neurocirurgiões estimularam o giro angular (região próxima à porção mais posterior do lobo temporal), a paciente relatou a sensação de levitar. Os estímulos foram repetidos várias vezes, e, numa delas, ela se referiu à sensação extracorpórea; estava a cerca de 2 metros distante do próprio corpo, perto do teto da sala, observando os médicos operar sua cabeça.

Até que ponto o resultado desses experimentos se superpõem? Pode uma avaria nas redes neurais que parecem governar a fé desencadear uma crença que não existia ou estava adormecida? E qual o papel do giro angular na sustentação da imagem corporal? Por que a estimulação dessa área cortical projeta para o paciente sua imagem fora do corpo? Que papel a evolução atribuiu ao lobo temporal no controle das nossas crenças? Se nossos genes são de fato "egoístas", a que atribuir a crença ilimitada em outra vida, em outra dimensão? E por que tais crenças se tornam acentuadas quando estruturas do lobo temporal são atingidas? Respostas a essas questões talvez sejam um dos maiores desafios para as neurociências.






*Edson Amâncio é neurocirurgião. Autor de O homem que fazia chover e outras histórias inventadas pela mente (Barcarolla, 2006).






Selma

Quem sou eu?
Alguém que quer saber as respostas de muitas perguntas.

quarta-feira, 13 de julho de 2011

Natureza Viva 46-

boa noite,

http://www.google.com.br/search?q=angraecum+eburneum&hl=pt-BR&rlz=1T4PRFA_pt-BRBR431BR431&prmd=ivns&tbm=isch&tbo=u&source=univ&sa=X&ei=NR8eTrjdNPSmsQK9pIm_CA&ved=0CBoQsAQ&biw=683&bih=276

Natureza Viva 45-

Bom dia a vcs.

Preciso continuar a série sobre orquídeas.

Vejam mais essas "anacheiliums".


http://images.google.com.br/images?hl=pt-BR&gbv=2&biw=683&bih=276&site=images&tbm=isch&sa=1&q=anacheilium+bueraremense&btnG=Pesquisar&oq=anacheilium+bueraremense&aq=f&aqi=&aql=undefined&gs_sm=s&gs_upl=6370l6644l0l2l2l0l0l0l0l808l808l6-1l1

Como o Adilson gasta o dizimo que recebe de sua igreja?

SÃO PAULO - Hoje as famílias que vivem na cidade de São Paulo gastam uma fatia maior do orçamento com ração para o cãozinho ou o gato de estimação (0,55%) do que com o feijão (0,39%), um alimento básico. Em contrapartida, o desembolso com aluguel caiu pela metade nos últimos dez anos porque um número crescente de famílias teve acesso à casa própria. Também o peso da prestação do carro zero nas despesas triplicou no período.

Esses são exemplos de como a explosão do crédito e o ganho de renda provocaram nos últimos dez anos uma revolução nos hábitos de consumo dos paulistanos. Essas e outras mudanças foram captadas pela nova Pesquisa de Orçamento Familiar (POF). A partir deste mês, o Índice de Preços ao Consumidor (IPC) da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe), o indicador de inflação da cidade de São Paulo, passa a ser apurado de acordo com a nova POF.

Nesta terça-feira, 12, o coordenador do IPC da Fipe, Antonio Comune, divulgou o indicador da primeira quadrissemana deste mês já pela nova POF. A inflação subiu 0,19%, ante um resultado praticamente estável de junho (0,01%). Entre os seis itens que mais influenciaram a inflação da primeira quadrissemana, quatro deles (viagem, assistência médica, refeição e carro usado) ampliaram a participação nos gastos das famílias de acordo com a nova POF.

Segundo Comune, a mudança da POF não vai aumentar a inflação. "De jeito nenhum isso vai acontecer", frisou. Ele contou que desde fevereiro vem apurando o IPC pela POF velha e a nova e os resultados são muito próximos. Por questões metodológicas, a Fipe vai divulgar o IPC pelas duas apurações no fechamento deste mês.

De acordo com a nova POF, os grupos habitação, despesas pessoais, educação e vestuário perderam participação no orçamento das famílias, enquanto os gastos com transportes, saúde e alimentação aumentaram.

O grande destaque foi o aluguel que pesava 8,97% e responde agora por 4,68% das despesas. Comune explica que a redução nos gastos com o aluguel, que passou a ser apurado pelo número de dormitórios, é resultado da maior oferta de crédito para a compra da casa. Também foram as facilidades de crédito que ampliaram gastos com carro novo, de 0,84% para 2,48%, e o usado, de 2,20% para 2,66%.

Com mais pessoas trabalhando, os gastos com refeição fora de casa cresceram, de 2,71% para 3,02%, e as despesas com serviços também. O desembolso com serviços pessoais quase que dobrou, de 0,79% para 1,38%, e os gastos com cabeleireiro deram um salto, de 0,79% para 1,38%.

Entra e sai. A ascensão social da população e as rápidas mudanças tecnológicas provocaram um entre e sai de itens pesquisados. "Caíram fora da nova POF 50 itens e entraram 60", disse Comune. Entre os que saíram estão os aparelhos de vídeo, DVD player, rádio-gravador, freezer, TV de tubo, entre outros. Em compensação houve a inclusão de produtos mais avançados, como TV de LCD, notebook, e serviços que no passado eram inacessíveis para boa parte da população, como passagens aéreas (0,51%), despesas com animais domésticos (0,77%) e cursos de pós-graduação e MBA (0,07%).

"Na próxima atualização da POF, teremos de incluir o iPad. Nessa não incluímos o iPhone porque ele já foi incorporado por outras tecnologias", diz o economista.

A partir de agora a POF será atualizada uma vez por ano. A última POF tinha sido feita em 1999. Por causa de mais de dez anos de defasagem e dos ganhos do salário mínimo, a faixa de renda das famílias pesquisadas mudou: era de até 20 mínimos e a partir de agora é de até dez.

O Estado (Frank)

terça-feira, 12 de julho de 2011

blog do sr.William,atualizado diariamente,

http://terapiadalogica.blog.terra.com.br/

De onde vem o brilho do Adilson?




Esse tipo de cogumelo ainda é conhecido popularmente como "flor de coco (Foto: Divulgação/USP)

Pesquisadores encontraram no Piauí um cogumelo que emite luz e que tinha sido avistado pela última vez há quase 170 anos.

A pesquisa do grupo de cientistas da USP e das universidades americanas de San Francisco e de Hilo, no Havaí, será publicada na revista científica Mycologia.

O Neonothopanus gardneri é o maior fungo bioluminescente do Brasil e um dos maiores do mundo.

"Já tinha encontrado alguns cogumelos que emitem luz no Brasil, mas menores, alguns do tamanho de um fio de cabelo", disse à BBC Brasil o professor Cassius Vinicius Stevani, do Instituto de Química da USP.

"Este foi o maior, um grupo deles emite quantidade considerável de luz", afirmou.

'Flor de coco'

Em 1840, o cogumelo foi descoberto pelo botânico britânico George Gardner quando viu garotos brincando com o que pensou serem vagalumes nas ruas de uma vila onde hoje fica a cidade de Natividade, em Tocantins.

Chamado pelos locais de "flor de coco", o fungo bioluminescente foi classificado como Agaricus gardeni e não foi mais visto desde então.

"Fiquei sabendo que existiam ainda fungos assim por volta de 2001. Nos anos seguintes, me chegavam relatos de Tocantins e Goiás de um cogumelo grande, amarelo, que emitia uma luz", diz Stevani.

"Mas fotografia mesmo vi só em 2005, uma tirada no Piauí", afirma ele, que já participou de expedições noturnas para a coleta do cogumelo.

"As buscas acontecem em noites escuras, de lua nova, com as lanternas desligadas", explica.

Curiosamente, o cogumelo ainda é conhecido popularmente em várias partes do país como "flor de coco".

Existem 71 espécies de fungos que emitem luz, 12 delas estão presentes no Brasil .

A ciência ainda não desvendou o processo químico que permite que o fungo produza luz, nem a razão disso.

Uma das teses consideradas é a de que a luz é emitida para atrair insetos noturnos, ajudando os fungos a dispersar seus esporos para a reprodução. Outra diz que a luz atrai insetos predadores que atacam insetos menores que se alimentam do fungo. BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

O Estado (Frank)

segunda-feira, 11 de julho de 2011

Mate-me, por favor!

A jornada de desintegração emocional que levou uma advogada de 35 anos a contratar um assassino para tirar a sua vida

 (Laura Diniz)

Quando a advogada Giovana Matias Manzano de 35 anos disse ao ex-presidiário Wellington de Oliveira Macedo que estava sofrendo muito por ter se divorciado e, por isso precisava de um matador, ele pensou que ela iria encomendar a morte do ex marido. Mas, Giovana explicou: “Eu quero alguém para me matar”. Wellington, que estava preso até dois meses atrás por tráfico de drogas, primeiro se espantou, depois pediu 30000 reais pelo serviço. Fecharam em 20000 reais. O planejamento do próprio assassinato foi o final de uma jornada de desintegração emocional que se acelerou há um ano. Desde a faculdade, concluída em 1997 em Penápolis, interior de São Paulo, onde morava, Giovana lutava contra a depressão com terapia e medicamentos.
Formada, chegou a abrir um escritório com uma amiga, mas tudo terminou depois que, numa discussão, a sócia revelou que Giovana havia sido adotada. Amigas contam que ela sentiu rejeitada pela mãe biológica e que esse sentimento nunca mais a abandonou. No início dos anos 2000 conheceu Adriano Cavalheri, o Di, com quem se casou poucos anos depois e foi morar em Mato Grosso.


Cavalheri era delegado em início de carreira e Giovana não trabalhava. Passou a maior parte dos oito anos de casamento sozinha, tendo como companhia apenas a poodle Luna. Nunca quis ter filhos. As freqüentes crises de depressão e a consciência da própria instabilidade emocional fizeram com que certa vez dissesse a uma amiga: “Como vou ter um filho do jeito que eu sou?” E se eu o afogar na banheira?”. Em meados de 2010 quis prestar concurso para a polícia. Antes do teste rezou e pediu a Deus: “Se for para me reprovar no exame físico, nem me passe no escrito”. Na ocasião, estava acima do peso, mas fez ginástica e emagreceu. Passou na prova escrita, mas falhou no teste físico. Ao saber da reprovação, conta uma amiga, quebrou a casa toda, jogou no lixo imagens religiosas e tentou se matar com uma overdose de remédios.
“Não acredito mais em Deus”, disse.


Dias depois do episódio, o marido ligou para os familiares de Giovana e pediu-lhes que fosse busca-la. No começo deste ano, de volta à cidade natal e com o casamento abalado,, a advogada procurou um médico. Que a diagnosticou como portadora de trastorno borderline, que provoca altos e baixos emocionais, causa depressão e aumenta o risco de suicídio. Depois do diagnóstico Cavalheri anunciou o divórcio. Giovana se desesperou diante do que considerou  ser a segunda rejeição de sua vida. Culpou o psiquiatra pela separação e procurou outro especialista, que discordou do diagnóstico de borderline e prescreveu medicamentos para depressão e terapia.
Giovana estava sob seus cuidados quando morreu. Nos últimos meses de vida, deu sinais de que tentava se recuperar. Matriculou-se num cursinho, comprou um carro zero, equipou-o e marcou uma lipoaspiração. Também passou a trocar mensagens com homens pela internet.
Um mês antes de morrer, conheceu na rede um rapaz com quem combinou um encontro ao vivo. Seria em 11 de junho, véspera do Dia dos Namorados. Um dia antes, cmprou um vestido e marcou horário num salão. Mas estava receosa. No fim da tarde ligou para uma amiga e disse que tinha medo de, mais uma vez, ser rejeitada. Em seguida, em seguida telefonou para um primo e perguntou se ele conhecia alguém “barra-pesada”. O primo disse que não. No sábado à noite, tinha saído do salão onde fizera o cabelo e a maquiagem quando, em cima da hora, o rapaz desmarcou o encontro. Giovana voltou para casa, desarrumou o cabelo, lavou o rosto, e ao que tudo indica, tomou aí a decisão final.
Na manhã seguinte, foi num bar da periferia e deu a entender que queria drogas. Um morador de rua a levou até  Wellington. Na volta Giovana lhe deu 100 reais e disse que ele iria ler seu nome no jornal.

Na segunda feira, seu último dia de vida, Giovana encontrou-se com Wellington para reiterar que queria dois tiros na cabeça, de modo a não ter chance de sobreviver. Deu-lhe 20 reais para comprar a gasolina com que ele deveria queimar o seu carro. “Meu plano sempre fi fugir com o dinheiro dela sem matá-la”, disse Wellington a Veja. No fim do dia, enquanto Giovana  se confessava com um frade, Wellington desenterrava o revólver que havia escondido antes de ser preso. Às 23 horas, a advogada foi ao encontro de Wellington e um amigo no local combinado. De carro, chegaram a um canavial.

“Trouxe a gasolina?”, perguntou.
Ao ver o galão, ela mesma despejou o líquido nos bancos. Assim que entregou a Wellington o envelope de dinheiro, ele e o amigo correram. Ela gritou, segundo Wellington: “Ei, você acha que sou tonta? Sei onde você mora. Posso acabar com a sua vida”.  Eles pararam de correr e ela disse furiosa: “Se eu pegar esse revolver, mato vocês dois e depois me mato”. Wellington deu-lhe um tiro na cabeça. Giovana caiu. Antes de fugir disparou mais duas vezes, também na cabeça. No envelope, disse, só havia 2000 reais.
Giovana deixou uma carta de despedida. Nela, dizia que amava o marido  e sentia a sua falta. Pedia desculpas à família e a afirmava que a decisão havia sido sua – a decisão de pagar um criminoso para livrá-la do que ela considerava um fardo insuportável, sua própria vida.


Revista Veja, 2225 - nº28 - 13/07/2011


Confesso que quando soube dessa tragédia pela TV senti uma profúnda angústia. Angústia maior senti aos poucos ao copiar a matéria da Revista Veja. A pobre Giovana, uma pessoa já doente, carcomida pela depressão, teve o azar de encontrar pela vida pessoas falsas e  - pior ainda - depositar extrema confiança nessas pessoas.

Encontrou uma falsa amiga (amiga da onça)  com quem abriu um consultório de advocacia e que no calor da discussão jogou em sua cara que era adotada. Nada demais ser adotada. Passou sofrendo  a  rejeição de ter sido abandonada pela mãe verdadeira. Mas ela não soube ver o outro lado da moeda: se por um lado a mãe biológica a rejeitou, a outra mãe -a do coração - a amou.
Depois encontrou um homem e o amou. Mas esse homem não deve tê-la amado o suficiente, pois num desequilíbrio mental a abandonou.
Pediu para que Deus a ajudasse a passar em um exame de aptidão física e não conseguiu! Mas conseguiu o mais difícil, que é passar em um exame escrito! E culpou Deus pelo fracasso.

Conseguiu um diploma de curso superior, passou no exame da OAB!

Essa moça era muito inteligente, o problema era a doença... Penso que realmente era borderline mesmo, como o primeiro médico diagnosticou.
E a gota d'água parece ter sido um encontro com uma pessoa que conheceu pela internet e que não deu certo... Oh, meu Deus! Uma moça de 34 anos deixar-se levar por ilusões de internet... Se nem os homens que as mulheres conhecem ao vivo e em cores não dão certo, imaginem os virtuais!

Mas o fato é que se tomou as atitudes que tomou é porque realmente estava muito doente. Que Deus a tenha. Muito angustiante esse texto.




(Selma)

ao sr.Hosaka, Nihil

Bom dia ao sr.

Quem é vivo, sempre aparece,e eu voltei a aparecer,como tem reparado.

Espero que todos os leitores e cronistas do blog,estejam tendo boas férias.


Minha pergunta é sobre informática- e poderá ser respondida por outros leitores também,se souberem.
Meu antivírus vai ficar com sua licença vencida nessa semana.
Eu vou ter que trocar de antivírus.
O que me desgasta, nem é saber que vou ter que pagar,mas ele ainda por cima, não querer mandar a fatura para o meu e-mail.

O Avast e o AVG servem para notebooks?
Estou perguntando isso,porque há um tempo,tentei baixar o Avast em outro notebook,e depois de umas horas, eu vi que não consegui baixar.
O programa simplesmente sumiu.

Eu sei que o Norton- que é pago, serve para "notes" e inclusive, ele fica mandando avisos para eu,de hora em hora, e pedindo dinheiro.
Mas,duvido que ele envie a conta para o e-mail do usuário.

Agradeço desde já a resposta.

Um ótimo dia a vocês.

--------

O doce veneno do açúcar

Quando a disponibilidade(facilidade de compra)  do açúcar excede de 10 a 15 kg por pessoa/ano, ocorre aumento do índice de cárie.  Ou seja, a sacarose ( o açúcar de cana) é o açúcar mais cariogênico que existe.

A quantidade de sacarose compatível com uma boa saúde bucal (dental) seria de no máximo 15kg/pessoa/ano, ou mais exatamente 40g/pessoa/dia em regiões beneficiadas com o flúor na água. E 10 kg/pessoa/ano (30g/pessoa/dia) em regiões não beneficiadas com o flúor na água.


Uma latinha de 300ml de Coca-Cola possui 39 gramas de açúcar!

Importante lembrar que o excesso de sacarose também pode causar o aumento de peso (obesidade) e diabetes.

Provavelmente o consumo de açúcar é maior nas camadas de baixa renda, visto que são os que apresentam altos níveis de cárie.
Infelizmente é enorme o investimento em propagandas que incentivam o consumo do açúcar na TV: refrigerantes, sorvetes, bolachas, confeitos, etc. E praticamente zero investimento em informações sobre o malefício do açúcar na saúde bucal.

Vivemos numa época em que se valoriza a beleza  física. Mas os apelos televisivos são para que sejam consumidos produtos que nem sempre colaboram para a construção dessa beleza. Alguém já parou para pensar se mulher que bebe cerveja todo dia no happy hour  tem corpinho de sereia, dentes branquinhos, gengivas saudáveis e hálitos gostoso?


A doença cárie (sim, é doença pois é transmissível) é a principal causa da perda dentária da população mundial.
Vejam bem:
- Aos 17 anos, 80% dos jovens já tiveram uma lesão cariosa cavitada;
- Aos 40 anos mais de 2/3 dos adultos perderam pelo menos um dente permanente.


O risco de cárie na dentição permanente é maior se na dentição de leite já havia cárie!

Além do açúcar, outros fatores contribuem para a formação da cárie, principalmente se forem associados ao alto consumo de açúcar.
  1. deficiências físicas e mentais (dificultam escovação)
  2. presença de restaurações ou próteses mal feitas (acúmulo de alimentos)
  3. saliva (pouca saliva aumenta índice de cáries)
  4. medicamentos (pode diminuir produção de saliva)
a)hipnóticos
b)tranquilizantes
    Diazepam/Bromazepam/Lorazepam
c)antidepressivos
     Fluoxetina
d)antiepiléticos
     Carbamazepina
e)anticolinérgicos
f)agentes beta bloqueadores adrenérgicos
   aliprolol
g)analgésicos opiáceos
   tramadol
h)anti-histamínicos



Quando se ingere muito açúcar, o pH da saliva torna-se ácido causando a desmineralização da superfície dentária. Claro que esse ciclo é interrompido se  houver a escovação dos dentes, o que alterará o pH da saliva. No creme dental há o fluoreto, que ajuda na capacidade da remineralização do dente através da saliva.




Cuide-se.
Não é preciso abster-se do açúcar. É necessário ter em mente os procedimentos de higiene bucal, consciência da alimentação e viver a vida onde se devem acrescentar exercícios físicos diários.




(Selma)

Por que o Adilson não é feliz?

por Vera Ghimel - veraghimel@oi.com.br


Primeiro, devemos entender o significado da palavra feliz. Muitas pessoas acham que ser feliz é entrar no universo daquilo que foi pré-estabelecido pela sociedade dominante. No Brasil, parece que é alcançar um posto profissional invejável, ter um carro do ano que desperte admiração, se vestir com roupas aceitas pelas regras de um determinado grupo que a pessoa frequente, ir a lugares caros onde será visto e reconhecido por amigos comuns, viajar a locais da moda, e mais uma vasta quantidade de pré-quesitos sociais de sucesso e aparência para se sentir aceito e aprovado. Que tormento!

Já atendi muita gente que cumpriu essa extensa lista de afazeres e continua infeliz. O dinheiro nos traz comodidades, mas se for o objeto de nosso desejo, trará servidão e medo, basta visitar as manchetes dos jornais nos últimos meses. A pessoa que passa boa parte do seu tempo tomando conta da “bolsa”, do “dólar”, da “onça”, pensa que está vivendo, até infartar ou se matar.

Estou falando de bem-estar interno. De se gostar e se aceitar plenamente antes de se aventurar às mudanças de vida. Não para perseguir um sonho que é mais uma satisfação social do que uma agradável jornada. Não é para fazer feliz papai, mamãe, amigo, etc. É para se sentir feliz com você.

Nossa história pessoal é apenas parte de nós. Quando nos olhamos num espelho, temos que transcender a nossa porta de apresentação pessoal (aparência, currículo etc). Somos maiores do que isso, basta não permitir o EGO tomar conta de tudo. Ele faz com que nos vejamos limitados, medíocres, presos. Não é preciso desconstruí-lo, pois ele também é importante para a devida auto-avaliação. Não se pode é dar poder a ele. É como se numa empresa de grande porte, chamassem o faxineiro para decidir sobre os rumos da instituição. Cada um faz bem o que se propõe fazer. O EGO é um subalterno numa macroestrutura que devemos entregar para quem entende. Se formos deixar para ele as nossas grandes decisões, estaremos fadados não só ao insucesso como as más escolhas. O grande diretor presidente de nossa estrutura é o nosso EU SUPERIOR que está “ali” pertinho de DEUS. Quando não temos direção, o melhor a fazer é parar, esvaziar a cabeça e submeter a apreciação d´ELE.

A pergunta é: o que eu estou repetindo que ainda não entendi o porquê? Quando começou o que eu estou insistindo em fazer e para que propósito, o que está me ensinando? Uma vez aprendida a lição extraída dessas perguntas, a vida tratará, espontaneamente, de trazer as soluções.

Somos seres duais, vivendo experiências que precisam ser aprendidas. Não é necessário ficar julgando se fez ou não o que deveria, pois o que foi feito era o possível na hora. Livre-se da culpa, pois além de engessar, não traz nada de inteligente em nossa vida. Pare de perseguir modelos que não são seus. Você é único, portanto fará do seu jeito. Deixe as emoções fluírem, pois elas represadas quando saem, são perigosas. Não fique preocupado com o que os outros pensarão de você, pois não viemos aqui para sermos avaliados por ninguém, isso é outra cilada.

Ser livre é ter certeza que a sua vida está sendo dirigida pelo melhor pra você. É poder ver o que aconteceu de trágico ou de bom e dali extrair o que podemos aprender sobre isso. Nenhum acontecimento é em vão. Tudo está encadeado como numa trama de novela que dará um resultado. Tenha paciência e não queira ver logo o último capítulo. Não fique pensando que nada tem solução, isso é a sua voz interna (arquétipo) que está ali para te boicotar. Quando ela aparecer, converse com ela e faça algumas perguntas tais como o que ela quer dizer com aquilo, de onde surgiu tal história, o que você precisa saber mais sobre isso, até que essa voz não tenha mais função e se transforme num aliado. Aceite seu lado sombrio ou aquele do qual você não gostaria de expor ou mesmo lembrar. Lembre-se que tudo faz parte do nosso todo e quanto mais você aceitar aquilo que te envergonha, mais rápido se transforma em algo produtivo.

A nossa vida é uma série de acontecimentos que se forem compreendidos (sem julgamento) após os sentimentos externados, podemos construir algo verdadeiro e só nosso, com o nosso jeito e entusiasmo. Não fique preso no seu drama. Ele apenas serviu para te construir. Você é mais do que sua história. Aceite a sua grandeza. Isso sim é ser feliz!

http://www.stum.com.br/clube/artigos.asp?id=17863 (Frank)

A Internet está destruindo o capitalismo

CAROLINA MARCELINO
Ineficiente, ineficaz e, em alguns casos, irritante. O atendimento ao cliente via chat (conversa em tempo real pela internet, também conhecida como bate-papo) deveria facilitar a vida dos consumidores, mas apresenta problemas tão preocupantes quanto os dos famosos SAC (serviço de atendimento ao cliente) por telefone.
A empresa NeoAssist, especializada em soluções de atendimento, realizou uma consulta com várias empresas brasileiras e apontou as principais reclamações dos clientes com os chats: falha no primeiro atendimento — o consumidor fica online, mas não recebe resposta; atendimento online passa a offline — o atendente pede que o cliente ligue para o telefone do SAC; impossibilidade de esclarecer dúvidas fora do horário comercial; demora para obter respostas — isso quando o cliente consegue obtê-las; e um mesmo funcionário atendendo a mais de um cliente por vez, demonstrando falta de comprometimento das empresas em resolver as questões.
O comerciante Antonio Guilherme de Souza Santos, de 59 anos, é cliente do site Mercado Livre, de leilão e intermediação de negócios, há nove anos, mas está insatisfeito. “O site não tinha canal de atendimento. Agora criou um chat, mas que nunca funcionou. Pelo menos, não comigo.”

Leia mais no Jornal da Tarde (Frank)