segunda-feira, 14 de março de 2011

"Benzedor Espírita"

Tenho uma amiga que gosta muito de gastar. Gasta bem mais do que ganha. Está no cheque especial faz tempo. Deve uma série de coisas: roupas, jóias, sapatos, o carro...

Vive se lamentando pelos apertos que passa. Outro dia me confidenciou que foi até um famoso benzedor “espírita”. Desses que trazem a pessoa amada de volta em 3 dias, jogam búzios, tarô... rsrs!

“Olhe, o benzedor é espírita, é do bem... Não faz macumba não! Pediu para que eu tomasse banho com arruda, guiné, alecrim e sal grosso, pois isso irá afastar as pessoas que têm inveja de mim.”
“Ele me disse que estou  vivendo esses apuros da vida porque há muitas pessoas que têm inveja de mim.”

Tenho pena dela. Não tive coragem ainda de dizer, mas terei que um dia esclarecer essa pessoa sobre o verdadeiro Espiritismo.
Não existe “benzedor espírita”. Kardec é muito claro no livro dos Espíritos sobre cartomantes, videntes e coisas parecidas.
O Espiritismo é uma Doutrina religiosa, sem dogmas propriamente ditos, sem liturgia, sem símbolos, sem sacerdócio organizado, ao contrário de quase todas as demais religiões, não adota em suas reuniões e em suas práticas:

a) paramentos, ou quaisquer vestes especiais;

b) vinho ou qualquer bebida alcoólica;

c) incenso, mirra, fumo ou substâncias outras que produzam fumaça;

d) altares, imagens, andores, velas e quaisquer objetos materiais como auxiliares de atração do público;

e) hinos ou cantos em línguas mortas ou exóticas, só os admitindo, na língua do país, exclusivamente em reuniões festivas realizadas pela infância e pela juventude e em sessões ditas de efeitos físicos;

f) danças, procissões e atos análogos;

g) atender a interesses materiais terra-a-terra, rasteiros ou mundanos;

h) pagamento por toda e qualquer graça conseguida para o próximo;

i) talismãs, amuletos, orações miraculosas, bentinhos, escapulários ou quaisquer objetos e coisas semelhantes;

j) administração de sacramentos, concessão de indulgências, distribuição de títulos nobiliárquicos;

k) confeccionar horóscopos, exercer a cartomancia, a quiromancia, a astromancia e outras .mancias.;

l) rituais e encenações extravagantes de modo a impressionar o público;

m) termos exóticos ou heteróclitos para a designação de seres e coisas;

n) fazer promessas e despachos, riscar cruzes e pontos, praticar, enfim, a longa série de atos materiais oriundos das velhas e primitivas concepções religiosas.





Minha amiga está então a tomar banhos com sal grosso e outras ervas por 3 sextas feitas. E a andar com galhos de arruda dentro de sua bolsa para evitar “olho gordo”. Se ainda não expliquei nada a ela, é porque vejo que fazendo essas coisas ela parece ter mais confiança no seu dia a dia.

Mas a grande verdade é que ela gasta demais, e o mais simples seria fazer as contas em um papel  e ver porque seu dinheiro não dá para nada. Ou arrumar outro emprego com um salário maior...Mas como fazer essa criatura entender isso?


 (Selma)

9 comentários:

  1. Achei muito interessante essa matéria do seu blog. É isso mesmo. As pessoas são culpadas por grande parte de seus problemas por sua própria incúria, porém é mais "fácil" colocar a culpa dos acontecimentos infelizes na "costa" dos outros. Com isso a pessoa se "veste" de uma capa angelical desprovida de qualquer mal. Parabéns pela matéria. Se me permite vou colocar no meu blog resguardando os direitos autorais. Abraços

    ResponderExcluir
  2. Oi Rosana! Fique à vontade... Fiquei feliz em saber que o texto agradou alguém. Abs.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Com licença (data venia)...como é que é? Não tem

      "rituais e encenações extravagantes de modo a impressionar o público;"?

      Pode me dizer então o que faziam Florence Cook, D.D Home, Eusapia, Emperucado, Peixototinho, a safada da Otília e aquela bichona loira do Frei Luís?
      E os copinhos de "água fluidificada" e os passes? Vai me dizer, dona Selma, que a senhora nunca bebeu copinho d´água nem levou passes?
      Só no Rivailismo é que existe "água fluidificada" e "esferas ovoides"!
      O "plano superior" não sabe que água é um fluido e que não existe abiogênese...e a dona dra Selma ainda acredita nesse pessoal!

      Excluir
  3. Quando vc vai até um centro espírita, vc não vê "rituais extravagantes de modo a impressionar o público". Materializações não acontecem em centros espíritas.
    Já bebi muita água fuidificada e já "levei" passes...
    E vc que foi Espírta por 8 anos?
    O que aconteceu lá no CE carioca?

    ResponderExcluir
  4. Eu ficava observando, e pensando comigo mesmo: se cada um veio com tudo planejado para seu adiantamento, por que ficar "consertando", curando doenças, afastando problemas, visitando leprosário, dando sopa a sem-tetos...isso é atrapalhar em vez de ajudar.
    E observava, e observava...e quem observa muito o que está errado acaba desacreditando.
    Mas se a senhora nunca foi boa observadora, como ia perceber as contradições?
    Outra coisa: de fato, as PSEUDOmaterializações não acontecem na MAIORIA dos centros rivailistas, porque a família Prado tinha um centro rivailista, ou não?

    ResponderExcluir
  5. A tempo: o Frei Luís é algum super-mercado ou quitanda? Não é um centro rivailista, embora meio "macumbista"?

    ResponderExcluir
  6. Vc não está entendendo... Se vc resolver frequentar um CE, desses comuns que há por aí, vc vai estudar o LE, o ESE, tomar água fluidificada e passes. Vc não vai encontrar sessões de materialização.
    Essas materializações, pelo que eu sei, só acontecem no Frei Luiz. A família Prado eu não sei. Parece que as sessões aconteciam na casa deles.
    O Frei Luiz é macumbista? ahahaha! Com velas pretas e galinha de macumba? ahaha!
    Cada uma...

    ResponderExcluir
  7. Não fazem despachos, mas você acha que tanta gente iria lá, se fosse centro rivailista "ortodoxo"? Os "pacientes" têm de vestir roupa branca para serem operados pelos espíritos. O marido de uma conhecida minha se vestia de branco e se deitava em casa para ser operado de um câncer e...morreu. Era comerciante bem de vida e dava poupudas ofertas...
    O fato de não serem comuns as pseudomaterializações é a dificuldade de achar farsantes convenientes, com dons teatrais. além disso, nem todo rivailista é farsante consciente. A maioria é como você e o VV, acredita por ingenuidade. A diferença entre vc e o VV é que ele, além de ingênuo, é burro e ignorante.
    E não reclame, porque para acreditar em materilizações é preciso ser muito ingênuo. Não adianta vc dizer que aceita somente a parte filosófica e moralista, a farinha vem do mesmo saco.

    ResponderExcluir
  8. Uma curiosidade: despacho e macumba são diferentes?

    ResponderExcluir